DSCF5626_edited.jpg

Publicações recentes

Imersões artísticas em paisagens sonoras rurais: relatos de experiência acústica, filosófica e de encontro com a Educação Ambiental

Os estudos sobre paisagem sonora vêm sendo discutidos em diferentes áreas do conhecimento e estabelecem um ambiente multidisciplinar, tanto no universo artístico quanto no de pesquisa. Pretende -se aqui estabelecer um espaço multidisciplinar do pensamento que relaciona arte, filosofia e meio a mbiente à comunidade rural, tendo os entornos escolares como centro da discussão. Relacionar, ainda, as práticas estéticas como principais elementos de encontro com novas possibilidades criativas, científicas e educativas. Neste caso, pretende -se apresentar o soundwalking como uma possibilidade de fruição no ambiente; como uma potente ferramenta de construção de saberes e experiências. Logo, associa -se essa prática às leituras de Jorge Larrosa sobre experiência, apontando como esta prática estética se volta às realidades acústicas locais. Discute-se a eminente necessidade de formarmos sujeitos de experiência, sensíveis e engajados com seu entorno, principalmente ao seu mundo acústico. Apresenta - se, por fim, os processos criativos e de escuta vividos na paisa gem rural, vinculados às experiências acústicas, filosóficas e artísticas que estiveram estreitamente conectados à Educação Ambiental.

Publicado em dezembro de 2021.

Revisitações ao Espaço Específico: Vínculos existentes entre obra e paisagem sonora

A literatura atual necessita de estudos que apontem com clareza as formas as quais um espaço específico à céu aberto pode contribuir intimamente para a composição da estrutura de uma instalação sonora. Este artigo propõe divulgar as metodologias de revisitação e vinculação, cujas funções salientaram as relações existentes entre composição musical e espaço específico. Recorrendo à literatura que aborda temas ligados à composição musical, paisagem sonora e trabalhos direcionados à performances para espaços específicos, a metodologia de revisitação estruturou em quatro performances a instalação sonora “Saving Shapes” (2016-2018), vinculando-a ao seu espaço acolhedor durante um ano e caracterizando cada performance, simultaneamente evitando recursos de repetição. Neste caso específico, durante o processo de composição para um espaço aberto escolhido na Ilha dos Marinheiros, Rio Grande – RS, foram realizados diferentes soundwalks, cuja perspectiva foi a escuta e a interação com os elementos que se transformavam na paisagem sonora.

Publicado em novembro de 2018.

Experiências a partir da música ubíqua: processos criativos e proposições para a escola através de dispositivos móveis

O presente artigo traz duas experiências de composição musical a partir de dispositivos móveis, tidos inicialmente como proposta independente de alunos do Curso de Licenciatura em Música da UFPA e, logo em seguida, enquanto uma das propostas artísticas, pedagógicas e investigativas do Grupo de Pesquisa Arte Sonora: Estudos dos Processos Criativos, Instalativos e em Paisagem Sonora e do Projeto de Extensão Mosaico: Arte, Música e Paisagem Sonora na Escola - 2ª ed.. Enquanto grupo de pesquisa, realizamos uma revisão bibliográfica nos últimos 5 anos que contempla tópicos acerca de música ubíqua. Autores como Damián Keller (2014; 2018), Maria Helena Lima (2018) e Flávio Schiavoni e Paulo Cançado (2018) foram centrais para essa pesquisa, pois apresentam o conceito de música ubíqua em suas publicações recentes. Em fevereiro de 2022, o Grupo de Pesquisa mencionado deu início às práticas musicais e composicionais com smartphones, onde foram realizadas performances e gravações utilizando dispositivos móveis e dispositivos móveis somados aos instrumentos convencionais, direcionando possibilidades pedagógicas com a utilização desses dispositivos. Desse modo, apresentamos como se deram essas experiências de performance e produção, considerando aspectos estéticos e formais envolvidos por processos de improvisação. A somar-se, discutiremos a crescente demanda de trabalho em Estações de Trabalho em Áudio Digital a partir de dispositivos móveis, apresentando as principais razões que motivam os alunos na autoprodução em home studios. Por fim, traremos algumas reflexões que consideram possibilidades artísticas e pedagógicas na utilização de dispositivos móveis em sala de aula, citando jogos e aplicativos anteriormente utilizados por membros do grupo de pesquisa.

Aceito para publicação em agosto de 2022.

Experiências acústicas na paisagem sonora escolar rural

Os estudos sobre paisagem sonora vêm sendo discutidos em diferentes áreas do conhecimento, o que oportuniza múltiplos olhares para o tema. O ambiente escolar rural foi o espaço para a produção de dados da pesquisa que ora se apresenta neste artigo. Neste estudo, aproxima-se a conhecida prática estética soundwalking às leituras de Jorge Larrosa sobre experiência, apontando como essa prática estética se volta às realidades acústicas de uma escola rural do município de Rio Grande/RS. Considera-se tal prática como uma alternativa de fruição musical frente aos modelos de ensino da música conservatorial e/ou historicamente fixados na forma de ouvir e fazer música. Faz-se com que este novo contexto escolar rural, silenciado e aparentemente imobilizado pela pandemia de Covid-19, seja entendido como um corpo vibrante, tensionado, revelador de um silêncio potente de sonoridades a serem vivenciadas. A partir de práticas artísticas nos entornos de uma escola rural de ensino fundamental, expõem-se como se deu a experiência acústica e os processos que lá foram estabelecidos, de forma a sublinhar a singularidade dessa experiência e das relações estabelecidas com o referido espaço.
 

Publicado originalmente na Revista Hodie (UFG) em setembro de 2022.